Tradutor do Blog

sábado, 14 de janeiro de 2017

SÍNDROME DO PSEUDO-CRISTO: O ATENTADO AO "APÓSTOLO" VALDEMIRO SANTIAGO



Os líderes de algumas igrejas neopentecostais são duplamente intencionados.

É domingo. Estou sentado com meu pai em sua sala e leio a notícia aqui no Gospel Prime de que o “apóstolo” Valdemiro Santiago foi esfaqueado. Nesse momento já comecei a pensar: Como isso foi possível? Ele vive cercado por seguranças, a igreja está lotada de gente querendo tocar o “ungido”, há diáconos, obreiros, presbíteros (nem imagino a estrutura de governo dá igreja) que cercam o tão amado apóstolo.

Em seguida, procurando detalhes sobre o referido atentado, vejo quem foi o dito cujo e a arma utilizada para o ato: UM FACÃO! No momento imaginei uma faca de cozinha, uma faca de canivete, mas foi um facão minha gente! Minhas dúvidas aumentaram ainda mais. Como foi possível alguém com um facão daquele tamanho chegar perto de alguém que vive ameaças de todo o tipo, cercado de obreiros-segurança? Como foi possível que sacasse aquele FACÃO, no meio da multidão, e quem já foi lá ou viu sabe bem que é uma enorme multidão de pessoas freneticamente tentando chegar próximo do “cristo” (palavra grega para ungido) e tocar nele ou nas suas vestes para receber seu milagre.


Avaliando as possibilidades

Não, eu não consigo entender. Há possibilidades e todas tem como ponto de partida questionamentos sobre o ocorrido: 1) Foi uma armação criada pelo Valdemiro Santiago para conseguir ainda mais poder (vou voltar nisso); 2) Foi uma terrível e absurda falha de segurança de obreiros-segurança não preparados e a falta de amor suficiente dos devotos para impedir o ataque ao seu amado apóstolo. 3) Falta de uma equipe CIPA.

Como a última opção foi uma piada e a segunda uma ironia, fiquemos com a primeira. Tendo por base minhas andanças pelo meio neopentecostal, não consigo acreditar que aquilo tenha sido forjado de alguma forma. Não, não estou sendo irônico agora. Acredito na sinceridade dos líderes neopentecostais. Muitos deles que aparentemente são portadores do dom de curar (e sim, Paulo fala sobre isso em 1 Coríntios 12) são convictos e utilizam a Bíblia interpretando e aplicando os textos que favorecem suas práticas.


Forjado? Não. Duplamente intencionado.

Certa vez tentei conversar com um certo líder (apóstolo) sobre uma prática sua que eu entendia ser contrária as Escrituras e fiquei assustado como ele acreditava que o que estava fazendo realmente trazia resultados baseado em textos inaplicáveis literalmente do Antigo Testamento. Desisti. Ele venceu pela ignorância, ou a minha, vai saber.

Acredito que os líderes de algumas igrejas neopentecostais são duplamente intencionados. Acreditam na mensagem da prosperidade e da oferta como princípio de enriquecimento e resposta para milagres, mas também se usurpam disso para o crescimento de seu ministério e consequentemente, seu próprio enriquecimento.

Sendo assim, não consigo acreditar em um ataque forjado, mas sim que este atentado poderá ser o fundamento para a formação de um discurso “messiânico” (o escolhido, salvador do mundo, o ungido) que aparentará a imagem de Valdemiro como um Cristo e a sua igreja como um lugar “aonde a mão de Deus está”.


A síndrome do pseudo-cristo

Eis aí o verdadeiro problema em toda essa história. Acredito que nós evangélicos sinceros, coerentes, não tomados pela fúria do que “parece”, mas não é verdadeiramente, precisamos ter equilíbrio em nossas análises. Precisamos antes de tudo não sermos condenadores quanto ao fato que está acontecendo. Nas atuais circunstâncias, só temos questionamentos, teorias e opiniões. Não temos bases concretas para afirmar nada a respeito de Valdemiro em relação ao ocorrido e menos ainda de sua equipe. Vamos nos ater não as teorias, mas aos fatos que evidentemente demonstrarem o distanciamento do ministério desse “apóstolo” do que a Escrituras nos ensinam sobre um ministério confiável. E acredito que somente o pós-atentado é o que nos dará evidencia daquilo que devemos ou não desconfiar.

O cenário está montado. Houve uma tentativa de homicídio e ele (mesmo sendo atingido por um facão do tamanho de uma espada samurai) não morreu. Livramento de Deus? Sim, precisamos crer nisso. Nada acontece sem o controle de Deus.

Cremos que todas as coisas cooperam para o bem dos que amam a Deus (Rm 8.28). O Salmo mais lido da Bíblia, o 91, nos fala sobre a proteção de Deus quanto a vida de Davi. Cremos num Deus que liberta o seu povo da mão de um Faraó opressor (Êxodo 3) e o próprio Jesus nos ensina que Deus cuidará de nós por saber exatamente do que precisamos antes que peçamos (Mateus 6.8). Deus é um Deus que tem seus decretos e seus próprios planos (Provérbios 19.21; Jeremias 29.11). A teologia bíblica nos ensina sobre a Soberania de Deus e sua Providência na Criação (já escrevi sobre isso, Salmo 121.2).

Ainda que fosse armado, a armação poderia ter dado errado e o facão poderia ter decepado sua cabeça. Deus não permitiu sua morte. Qual a razão do seu livramento? Não sabemos! Ninguém sabe e nunca saberá. Uma vida foi preservada, a vontade de Deus foi realizada. Glória sempre a Deus por Sua misericórdia para conosco!

A questão relevante é outra. Este “livramento” pode se tornar base para a construção de um discurso usado para promover a imagem de Valdemiro como Ungido Peculiar de Deus? Sua igreja, IMPD, deve ser reconhecida como um instrumento legitimado por Deus em tudo o que faz como único lugar aonde Deus age? Não. O livramento também pode ser visto como uma oportunidade de arrependimento para que o mesmo abandone a prática dos amuletos de fé e comece a promover a mensagem do arrependimento e da salvação por meio de Cristo Jesus. Não sabemos a natureza do livramento, e nem é de nossa importância o saber. Como seguidores de Cristo, o que precisamos é ficar atentos sobre o que Jesus nos ensinoum, e chamei isso de síndrome do pseudo-cristo.

Jesus mesmo disse:
“porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodígios; de modo que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.” (Mateus 24.24)

Pseudos, falso. Vão surgir Pseudokhristoi, falsos cristos e Pseudoprofêtai, falsos profetas. Precisamos estar atentos a isto. Se a mensagem de Valdemiro a partir deste fato se tornar uma mensagem em que ele se pronuncie como um representante peculiar da manifestação de Deus no mundo, poderemos ter a certeza que ele terá desenvolvido a síndrome do pseudo-cristo. O coração de Valdemiro depois desta tragédia sem dúvida passará por esta tentação. O diabo joga sujo (Mateus 4.8,9). No caso de Valdemiro, a tentação de colocar-se na mesma condição que Cristo.

A palavra Cristo, não é um sobrenome. Ela é uma palavra grega, Khristós, que possui um significado especial aos ouvidos judaicos. O equivalente no hebraico desta palavra é Mashiach, que conhecemos como Messias. Tanto Cristo, Messias significam Ungido. A tentação pela qual Valdemiro passará, será a de promover-se como um Ungido de Deus, um homem especial, escolhido para uma obra superior a qualquer outra obra. Este será o ponto que nos levará a questionar se realmente não se trata de um pseudo-cristo como Jesus nos alertou.

O que nos esquecemos frequentemente, é que estes pseudo-cristos e os pseudo-profetas farão grandes sinais e prodígios. Os sinais e prodígios foram durante muito tempo a testificação do ministério apostólico (2 Coríntios 12.12). Contudo, tanto Jesus (Mateus 24.24), se referindo ao futuro, quanto os apóstolos Paulo (2 Tessalonicenses 2.9) e João (Apocalipse 13.11-14) nos alertaram de que tais sinais um dia seriam utilizados para enganar a muitos.

Quando a sua camisa se tornar um “santo sudário”, um amuleto que seja usado para representar o poder que o apóstolo carrega e a testificação de sua messianidade, ou seja, a marca que prova que Ele é especial para Deus. Se isto acontecer, teremos a certeza que sua atitude refletirá a atitude de Gideão, que conduziu o povo a idolatria através de um éfode feito por ele com os despojos de sua vitória sobre os Midianitas:

Disso fez Gideão um éfode, e o pôs na sua cidade, em Ofra; e todo o Israel se prostituiu ali após ele; e foi um laço para Gideão e para sua casa. (Juízes 8.27)


Os alertas que preservaram nossa fé no verdadeiro Cristo

Não podemos julgar quem quer que seja baseado em possibilidades, teorias ou conceitos, mas segundo a reta justiça e a reta justiça é a justiça da palavra. Como igreja, precisamos ficar atentos a muitas realidades. As Escrituras nos alertam sobre elas.

Não podemos nos deixar enganar pelo desejo de que nossas necessidades sejam satisfeitas por um milagre ou por uma oferta de qualquer valor que seja.

Não podemos nos deixar ludibriar com um discurso que proponha aquele que o emite como um Cristo, pois Cristo para nós é um e apenas um, e seu nome é Jesus, o Nazareno.

Não podemos nos deixar levar por sinais, pois, Jesus nos alertou que eles seriam instrumento para enganar a muitos.

Precisamos considerar os apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres (Efésios 4.11), do ponto de vista do que a Bíblia nos ensina sobre sua postura de humildade, de apascentamento, de exortação e admoestação a uma vida cristã autêntica dentro e fora da igreja local.

Precisamos considera-los a partir daquilo que falam, se promovem a si mesmos ou promovem a Glória de Deus. Se anunciam o seu próprio Evangelho, ou anunciam o Evangelho de Jesus Cristo.

Bem, no fim, como diriam por aí, vamos só observar.


Por: Leonardo Felicissimo
(Pastor e músico, bacharel em Teologia pelo STBNET/UMESP e Mestrando em Teologia pelo STBNET, onde também atua como professor de Grego Bíblico e professor-adjunto de Hebraico Bíblico.)

***
Postado por: MARCOS MARCELINO


    Fonte:





Nenhum comentário:

Postar um comentário